Aumento do nível do lago Baringo, no Quênia (Foto: Faith Kathambi Mutegi)

#NOTÍCIAS

Crise do clima coloca planeta na rota para colapso, diz relatório

Estudo lançado hoje na COP28 revelou que cinco sistemas terrestres estão à beira de pontos de não-retorno, o que representa ameaças nunca enfrentadas pela humanidade

06.12.2023 - Atualizado 10.12.2023 às 23:16 |

DO OC – A emergência climática colocou o planeta na rota para a ultrapassagem de cinco pontos de não-retorno, definidos como os limiares para alterações ambientais não reversíveis com graves impactos para a estabilidade da Terra e a sobrevivência da humanidade. A conclusão é de um relatório lançado nesta quarta-feira (6/12) na Conferência do Clima em Dubai (COP28). A pesquisa apontou ainda que outros três limiares podem ser ultrapassados até o final desta década, caso o limite de 1,5ºC de aquecimento do planeta seja rompido. 

Liderado pelo pesquisador Tim Lenton, da Universidade de Exeter, na Inglaterra, o Global Tipping Points 2023 contou com a participação de mais de 200 autores e 25 instituições de diferentes países. Além de avaliar os pontos de não-retorno ambientais, negativos, o amplo estudo dedicou-se a analisar os chamados “pontos de não-retorno positivos”. Os limiares positivos são inflexões rápidas que podem conduzir o planeta à superação do colapso climático e a um caminho sustentável e justo de desenvolvimento. 

Mantos de gelo da Groenlândia e Antártida Ocidental, recifes de corais de águas quentes, giro subpolar do Atlântico Norte (um sistema de correntes oceânicas frias) e as regiões de permafrost (solos congelados abaixo da superfície visível) são os cinco sistemas que já estão próximos a alterações abruptas e não reversíveis sob o aquecimento atual (de 1,2ºC acima dos níveis pré-industriais), como mostra a figura abaixo. 

Além dos cinco sob risco iminente, o mapa ilustra outros sistemas ameaçados, que atingirão pontos de não-retorno em curto prazo caso a humanidade falhe em estabilizar o aquecimento global, entre eles a Amazônia. A ultrapassagem do 1,5ºC de aquecimento representa que a floresta boreal, os manguezais e as pradarias de ervas marinhas estarão muito mais vulneráveis a atingir seus pontos de não-retorno. 

Os sistemas identificados com a letras de A a E já estão próximos de seus pontos de não-retorno. A imagem mostra ainda outros sistemas ameaçados. (Fonte: Global Tipping Points 2023)

“Esses pontos de retorno representam ameaças de uma magnitude nunca antes vista pela humanidade. Estamos falando de impactos como a perda, em escala global, da capacidade agricultável das principais culturas básicas”, declarou Tim Lenton na coletiva que lançou o estudo nesta quarta em Dubai. 

A agricultura é principalmente ameaçada em caso de colapso da AMOC, corrente oceânica (representada na imagem acima pela marca lilás sobre o oceano atlântico) que transporta água quente dos trópicos para o Atlântico Norte e tem forte influência sobre o clima. “O colapso da Célula de Revolvimento Meridional do Atlântico [AMOC, na sigla em inglês para Atlantic Meridional Overturning Circulation] combinado ao aquecimento global pode causar a perda de metade da área global para cultura de trigo e milho”, diz o relatório. 

Já a segurança hídrica, alimentar e energética é ameaçada, além do próprio colapso da AMOC, pelo ponto de não-retorno da Amazônia (que corre o risco de “savanização”), o derretimento das calotas polares e o derretimento do permafrost. Atingir os pontos de não-retorno nesses sistemas terá, ainda, impactos na saúde, nos serviços ecossistêmicos, nas comunidades e economias, segundo o estudo.  “O não-retorno na Amazônia seria uma catástrofe para a biodiversidade, contribuiria para o aquecimento global e regional, poderia expor 6 milhões de pessoas a riscos diretos de estresse térmico extremo e causar prejuízos entre US$1 trilhão e US$3 trilhões”, aponta o texto.

O relatório destaca ainda o “efeito cascata” causado pela ultrapassagem dos pontos de não-retorno, quando o colapso de um sistema pode levar ao colapso de outro. “Isso irá  multiplicar crises, da mesma forma que a pandemia de Covid-19 causou um efeito cascata em sociedades e sistemas econômicos globalmente, com consequências desiguais e injustas”, destacam os autores. “Os pontos de não retorno mostram que a ameaça representada pela crise climática e ecológica é muito mais severa do que comumente se entende”.

Entre as seis recomendações urgentes apresentadas para evitar o colapso, a primeira e mais importante, é claro, é a eliminação dos combustíveis fósseis e das emissões por desmatamento. “A escala da ameaça representada pelos pontos de não-retorno do sistema planetário reafirma a importância fundamental da meta de 1,5ºC de aquecimento, e significa que a mitigação em escala global deve, agora, assumir um ritmo de emergência”, sentenciam os cientistas. Eles defendem a eliminação das emissões de fósseis até antes de 2050, aliada ao encerramento urgente das emissões por mudanças no uso da terra. 

Além da redução drástica nas emissões, o relatório indica o fortalecimento da governança para adaptação e compensação de perdas e danos, para apoio a comunidades vulneráveis e afetadas pelos impactos já sentidos da mudança do clima. Os autores sugerem ainda que a discussão dos pontos de não-retorno seja incluída no balanço do Acordo de Paris, o Global Stocktake que deve ser concluído na COP28, e levadas em consideração para futuras revisões das metas de cada país ao tratado (NDCs, na sigla em inglês). 

O relatório defende ainda esforços coordenados nas políticas para induzir os pontos de não-retorno positivos. “A história humana está repleta de exemplos de mudanças sociais e tecnológicas abruptas. Exemplos recentes incluem os aumentos exponenciais na eletricidade renovável, o alcance global dos movimentos de justiça ambiental e a rápida expansão dos veículos elétricos. A ameaça de pontos de virada negativos poderia ser mitigada se houvesse um esforço vasto para desencadear outras oportunidades de pontos de virada positivos”, sugerem os autores. (LEILA SALIM)

 

Relacionadas

Nossas iniciativas